Restaurant Week - parte II

Para não deixar a postagem anterior muito longa, dividimos este tema Restaurant Week em três dias.

No Sal Gastronomia degustamos: Mix de folhas com tomate cereja e nozes (um dos pratos chegou sem o queijo), Risoto de carne seca com queijo coalho, Risoto vegetariano (ambos risotti estavam al dente e saborosos), Frango ao trio de chutney com couscous marroquino com legumes (bom, com chutneys interessantes) e Panacota com calda de framboesa (notamos que duas pannacottas apresentaram "separação" da gelatina e creme - talvez culpa da geladeira, talvez muita pressa na confecção). Acompanhamos com uma garrafa de Quinta Vale da Raposa 2004, uma boa relação preço X qualidade do Douro. Um restaurante pequeno, com serviço simpático e comida saborosa.









No Espaço Tambiú: Torresminhos de peixe - pedacinhos selecionados de pacú sequinhos e crocantes (pequeno demais), Moqueca de pintado (este prato teve o serviço mais estranho que já vimos: os pratos chegaram com arroz e pirão e foram montados aos poucos, pelo garçon que ia e voltava da cozinha com três refratários de moqueca) e Panna cotta de cupuaçu com calda de chocolate (ótima, mas a calda era desnecessária). Ficamos realmente desconcertados com a Moqueca, que tinha leite de coco, mas nem um traço de azeite de dendê (ficou entre uma capixaba e uma baiana). Um restaurante especializado em peixes brasileiros, poderia servir pimentas nacionais (e não aquela norte-americana). A casa fica localizada no fundo de uma loja de decoração, sem acesso para indivíduos portadores de deficiência física ou idosos com dificuldade de locomoção.






No AK Delicatessen: Salada Verde e Bureka do dia (a bureka estava seca), Ceviche de peixe fresco com creme de beringelas e vinagrete de romã (criativo e bom), Carpaccio fatouch de rosbife (um pouco salgado), Tagine de frango com vegetais e couscous marroquino (apesar de não chegar na Tagine, estava muito saboroso, um dos melhores pratos que o Marcel provou neste evento), Spaguetti ao perfume de limão, abobrinhas marinadas, coalhada seca e hortelã (sem untuosidade, sem sal, sem aromas ou sabores, um prato ruim), Torta de Maçã (massa grossa e irregular e pouca maçã) e Pudim com doce de leite (um pouco rígido demais). As duas amigas que me acompanharam ficaram decepcionadas com a comida.









No Eñe Restaurante: Mix de folhas verdes, Pão com tomate e jamón (bom jamón, mas a entrada poderia ser maior), Creme de abóbora com jamón (algo na textura me incomodou, ou poderia coar no passe-vite ou aumentar o gás do sifão), Pasta sugestão do chef (bom), Peixe serra com escalivadas de pimentões e cebolas (bom), Vitela em falso churrasco com purê (muito bom) e sobremesa sugestão do chef (o garçon disse que seria uma torta com chocolate, mas degustamos algo que lembrava uma torta de oleaginosas e figo seco - quase um pé de moleque). O serviço estava um pouco atrasado (inclusive uma das garçonetes que nos atendeu poderia se comportar de maneira menos Blasè) e o menu no site do evento refere-se a edição anterior (que era mais interessante e foi melhor executado).







Postado por Marcel Miwa e Nina Moori.

Comentários

Anônimo disse…
Este evento lotou diversos restaurantes, mas creio que a qualidade de atendimento caiu muito.
E os cafés? Não beberam nenhum?
Princesa Urbana disse…
Não vejo a hora desse evento chegar aqui em Brasilia!
Bjo, Sarinha
Anônimo disse…
Li em outro blog que o Sal teve realmente problemas com pannacotta. Sensato eles assumirem.

Senti que o Ak está com um problema de identidade na cozinha.

O Tambiú pode ter todos esses problemas, mas o aquário era tõ bonito, cheio de peixes.

Quando fui ao eñe, experimentei o menu degustação (que acho que vocês já postaram aqui) e gostei muito. A correria do RW atrapalhou mesmo o srviço dos restaurantes. Ou foi o serviço deles que atrapalhou o RW.

R. (vou começar a assinar assim, como vcs fazem)
Gourmandise disse…
No geral a casa lotada atrapalhou o ritmo dos restaurantes. Longas fila deixaram as brigada nervosas/ansiosas.
Bebemos cafés em quase todos os restaurantes, mas resolvemos não publicar para encurtar os posts.

Queria experimenar outra cidades tbm...

Li sobre a pannacotta tbm. Admiro a sinceridade da casa. Parace que ofereceram sorvete ao invés da pannacotta.

Eu não tive muitaa sorte com os pratos que pedi no AK, o Marcel pediu o Tagine e adorou. Minha amigas esperavam umaa cozinha mais judaica.

Prefiro voltar ao Eñe em dias normais. Também gostamos muito do menu degust.

bjos,
N.M.
espressa-mente! disse…
humm..N. pelo visto R. tambem gosta adora um espresso!! :o))
M.

Postagens mais visitadas