Bror - Copenhagen

Por sorte, antes de embarcar para esta viagem, tive a oportunidade de entrevistar o enólogo dinamarquês Peter Sisseck. Aproveitei para pedir algumas dicas gastronômicas de CPH e uma dos restaurantes citados também foi recomendado por alguns amigos, o Bror. O único lamento é que mais uma vez, um jantar solitário não permitiu provar muitos pratos.


Garfish (peixe agulha com gelo de pomelo no fundo do bowl)

Catfish cheeks e croutons (contundente no visual e sabor, com os croutons e manteiga queimada no fundo do pote) - foi uma certa comoção na mesa ao lado quando o prato chegou


pão e manteiga fresca (batida na hora)

tartar e rhubarb (carne dry aged, ruibarbo em geleia e liofilizado)

pork neck ramson e cauliflower

strawberry elderflower (O melhor sorvete que já provei, de flor de sabugueiro com morangos frescos. Existe uma teoria que dizem que quanto mais setentrional a origem do morango, melhor é seu sabor)

Me acompanharam nesta refeição o Mâcon-Uchizy de Alexander Jouveaux e o Beaujolais de Philippe Jambon.


Postado por Marcel Miwa.

Comentários

Silvia - BH disse…
Linda porcelana a da sobremesa!
Gourmandise disse…
Silvia, design é muito importante para os dinamarqueses!

Postagens mais visitadas