Cozinha molecular?!


Hoje o Senac-Sp promoveu uma teleconferância com Ferran Adrià, que se apresentava na feira gastronômica "Andalucía Sabor". O tema escolhido por ele foi "sopas", começou abordando como se pode conceituar uma sopa para a partir daí mostrar "criatividade".



Para quem leu seus livros (El Bulli) não havia novidade. De forma bem teatral, carismática e provocadora, mostrou fotos de sopas que serviu ao longo de 15 anos (do El Bulli). Mostrou também algumas sopas ao vivo.



Verificamos que utilizou (ao vivo) ingredientes químicos (os seus "pozinhos"), mas fez um discurso defendendo o uso exclusivo de ingredientes naturais. Mas disse que não existe a cozinha molecular (!), existe o uso da tecnologia à favor da gastronomia.

Pode parecer estranho, mas temos a impressão que não é só talento. A mídia e outros chefs que o criticam, de certa forma, contribuíram para criar esta aura de mito espanhol.
Não podemos negar a sua importância na história da gastronomia, com certeza suas técnicas e idéias marcam uma nova era na gastronomia mundial.
Devemos saber interpretar e adequar suas idéias à realidade local. Acho que este é um princípio para se dar um passo à diante.


Postado por Marcel Miwa e Nina Moori.

Comentários

Vitor Hugo disse…
No caso do Ferran, eu fico no modo fã baboso, hahah Querendo ele ou não, faz uso da química que é quase a minha base de formação.

Ainda mais ontem que vi um vídeo dele fazendo merengue com um sifão!

E por acaso, hoje não é seu aniversário, Nina? Marcel deixou escapar no post dele, heheh.

Tanjoubi Omedetou! =D
laila disse…
Nina acredito como vc q este seja o star pra novas idéias...mas é uma cozinha mto conceitual...diria uma experiencia unica...afinal qm vai no el bulli 3 vezes ao ano?bjos
Elvira disse…
É curioso e interessante, de facto... Mas todas as pessoas que foram ao El Bulli costumam dizer do que lá comeram: "É uma experiência diferente", "A comida é interessante", etc. Até agora, nunca ninguém me disse simplesmente: "É muito bom". ;-)

Bjs.
Laurinha disse…
Para vivermos bem, em qq aspecto, sempre temos que nos adequar à nossa realidade para dar passos à diante!
Beijinhos,
Sylvia disse…
Eu até gosto das inovaçoes que ele criou e o acho bastante criativo,mas...tenho um amigo que neste momento está fazendo um estagio no El Bulli.
Vitor, acho que daqui uns anos, a maioria dos chefs/cozinheiros utilizará alguma técnica desenvolvida pelo Adrià. Eu gosto da idéia de misturar quente e frio, gelatinas, sorvetes salgados/picantes, etc.
Grande parte do sucesso dele se deve ao irmão químico e confeiteiro, Albert Adrià.
Obrigada, hj é meu niver sim!

Laila, mesmo tendo algumas discordâncias no conceito que Adrià utiliza, ainda quero conhecer o El Bulli. Acho que os clientes conseguem ir apenas uma vez ao ano.

Elvira, ouço os mesmos tipos de comentários. Acho que as idéias dele podem ser adaptadas para comidas mais palpáveis.

Laurinha, de certa forma, até a cozinha clássica francesa é adaptada para chegar à mesa caseira.

Sylvia, o Adrià já cravou sua importância na gastronomia. Sua criatividade é indiscutível. Eu com certeza não perderia a chance de um estágio lá...dois amigos que estagiaram lá mudaram e inovaram a forma de encarar os alimentos.

bjos e abs a todos,
Nina.

Postagens mais visitadas